RHecados: Pesquisa revela que a maior parte das práticas de gestão de talentos é muito complexa sem que a complexidade agregue qualquer valor significativo.


O talentoso vai sair? Deixa. Se não saiu hoje, amanhã sairá. Preocupe-se mais em reposição e menos em retenção, o caminho natural!

segunda-feira, 21 de julho de 2014

O teatro que as empresas fazem para conquistar clientes!


Antes de expor mais um artigo muito interessante da Lucy Kellaway, discorro algumas palavras em consonância com o tema abordado. Uma situação comum entre os Consultores independentes é a concorrência com as grifes de mercado. Fui convidado para preparar uma proposta para uma grande empresa da área da saúde. O dono dessa empresa queria três orçamentos, um de uma consultoria multinacional, outro de uma consultoria nacional e outro de um consultor independente. 

O projeto era para a reestruturação total de todo elenco de cargos e carreiras, classificação e avaliação de cargos, pesquisa salarial e construção de tabelas especificas a cada grupo ocupacional. Uma semana depois o Diretor de RH telefonou e disse que tinha uma notícia boa e uma ruim. A boa era que o meu orçamento era o melhor e a ruim era que o dono entendia que sozinho poderia faltar, ficar doente, atrasar, enfim, argumentos desse tipo. 

Passados mais alguns dias, outro telefonema. Agora só uma notícia boa. O dono entendeu que o preço da consultoria multinacional era excessivamente caro e ele queria essa, a multinacional. 

Resumindo,desenvolvi sozinho toda a estrutura de cargos (mais ou menos 400) com descrições e levantamento de competências e a pesquisa salarial. Após seis meses de trabalho, cumpridos rigorosamente à risca, entrou a multinacional para fazer a avaliação e a montagem das tabelas e apor sua grife no fino e bonito caderno, contendo todo o trabalho, inclusive o meu!
  
Essa comentário incidental reflete bem as dificuldades que passam os Consultores independentes. Eles não tem telefone fixo (costumam só indicar o celular) e não possuem espaço físico em um edifício comercial!

Empresários e RH´s, procurem avaliar as possibilidades técnicas quando um Profissional CHO (Consultor Home Office) bater à sua porta. É tão bom quanto uma grife, costuma ser mais barato, pois não sustenta estruturas e funcionários e está aí, à sua disposição! CHO – Um dia você ainda vai ter um!

*Por Lucy Kellaway

Algum tempo atrás participei de um comitê cuja tarefa era contratar um "headhunter". Ficamos grande parte de um dia trancados em uma sala na City de Londres com muito café e biscoitos, assistindo a uma apresentação após outra de firmas concorrentes.

Quatro equipes entraram na disputa. Uma delas tinha apenas dois integrantes, outra quatro. Todas tinham boa aparência, estavam bem vestidas e eram amigáveis daquela maneira profissional que assusta um pouco.

Cada equipe tinha uma apresentação no PowerPoint, em que nos asseguravam suas "redes de contatos globais incomparáveis" e seu "profundo conhecimento do setor". No fim do dia eu estava com quatro pacotes gordos de apresentações em papel lustroso, que foram direto para o picador de papel.

Não havia nenhuma boa razão para escolher qualquer uma daquelas firmas de recrutamento em detrimento das outras, mas uma escolha tinha que ser feita. Portanto, acabei desqualificando uma simplesmente porque seu principal homem disse "maximizar o pool de talentos", combinando assim três das palavras de que menos gosto em uma única frase. Preferi outra firma, cuja apresentação foi um pouco mais curta.

Essa pantomina é uma maneira detestável de se contratar alguém. Mas é a maneira como advogados, consultores, agências de propaganda, firmas de relações públicas, bancos, corretoras e auditorias rotineiramente se digladiam para conseguir trabalho.

O primeiro erro com esse tipo de coisa é o custo. Três pessoas do meu comitê perderam o dia e cada firma passou vários dias preparando e se locomovendo para a apresentação. O custo em si não seria importante se nos levasse a tomar uma boa decisão.
  
Leia mais


A britânica Lucy Kellaway é jornalista do "Financial Times"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentem, da discussão nasce a sabedoria!