Você é Ligador ou Recebedor? Antecipa ou Espera? Resolve ou Transfere? Empurra ou Planeja? Só Copia ou também Cria? Você está ocupado ou preocupado com a qualidade dos processos de Recursos Humanos?

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

A arte de ser infeliz

Gosto muito quando leio textos diferentes sobre determinados assuntos. Longe do lugar comum e do mais do mesmo.  Compartilho excelente texto da Consultora Suely Pavan!
*Suely Pavan
“Há muitos anos entrei em uma livraria e, buscando livros na estante aleatoriamente, me deparei com um cujo título chamou a minha atenção, embora nunca houvesse ouvido nada à respeito dele.

Chamava-se “SEMPRE PODE PIORAR OU A ARTE DE SER (IN)FELIZ: Uma abordagem psicológica”, de Paul Watzlawick.

Infelizmente, eu emprestei este livro e não me devolveram, e agora vi que ele está esgotado no fornecedor, como a maioria dos bons livros!

O autor neste livro faz uma abordagem irônica e bem humorada sobre como as pessoas, através de diferentes mecanismos, buscam de forma inconsciente a própria infelicidade. E se não me engano, ele escreveu as diferentes estórias que compõem o livro baseando-se nos depoimentos de seus pacientes.

Numa delas o autor conta a estória de um homem que, de madrugada e numa estrada deserta, se deparou com o furo no pneu de seu carro. Ele saiu do carro, viu que estava sem o macaco, olhou ao redor e viu a quilômetros de distância uma luz em uma casa. Resolveu dirigir-se até lá para pedir um macaco emprestado. Porém, no caminho foi pensando em diversas e diferentes possibilidades de que o dono da casa não lhe emprestasse o macaco. As fantasias foram tomando conta dele, e ao chegar finalmente à casa e ser recebido pelo seu dono lhe disse: “Pode ficar com o macaco, seu imbecil, e não o quero mais!”

Quantas pessoas você conhece que vivem a alimentar fantasias devastadoras sobre o outro e que não calcam suas opiniões em dados de realidade, como nessa estória?

E além de fantasias são agressivos, sem motivo algum, com outro semelhante!

São as chamadas agressões gratuitas que recebemos de outras pessoas. Agressões de tamanho inadequado, e que nada têm a ver conosco. Geradas por pessoas infelizes e medrosas.
Leia mais


quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Curhtas e Rhápidas: Conhecendo Eric Jackson

Eric Jackson é fundador e membro do Ironfire Capital LLC. Ele completou seu doutorado no departamento de gestão da Columbia University Graduate School of Business em Nova Iorque, com especialização em gestão estratégica.

Leia o artigo do Eric Jackson na Forbes: As 10 principais razões pelas quais as grandes corporações não conseguem manter seus melhores talentos. São elas:

 1. A burocracia das grandes companhias
 2. Ausência de projetos para os talentos da empresa que acendam a paixão deles

 3. Avaliações anuais de desempenho ruins

 4. Nenhuma discussão sobre desenvolvimento de carreira
 5. Dá na veneta e mudam-se prioridades estratégicas

 6. Falta de responsabilidade e/ou esclarecimentos quanto a como realizar suas funções
 7. Profissionais talentosos gostam de outros profissionais talentosos

 8. Ausência de missão corporativa
 9. Falta de mente aberta

10. Chefes despreparados

Leia o artigo completo no Blog da Forbes (em inglês)

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

O Caminho Quádruplo

Ana Lúcia de Mattos Santa Isabel

"Li há algum tempo um livro verdadeiramente magistral: O Caminho Quádruplo de Angeles Arrien. Sua leitura levou-me a profundas reflexões sobre a natureza inefável e, ao mesmo tempo, concreta , deste mistério chamado Liderança.
O livro em questão tem inspirado ao longo dos últimos tempos líderes e estrategistas por este mundo afora.
Trago alguns apontamentos a fim de aguçar-lhes a curiosidade.
 

Angeles Arrien chama de Caminho Quádruplo os quatro princípios abaixo os quais representam quatro arquétipos distintos. Em um mundo Ideal cada um de nós teria desenvolvido de forma harmoniosa os quatro arquétipos. Uma boa idéia me parece ser , já o mundo está bem longe de ser ideal, começar em nós mesmos a mudança sonhada buscando desenvolver , ao menos um tantinho, cada um dos quatro arquétipos.Sabem como é : de grão em grão; de arquétipo em arquétipo a mudança enche o espaço.
Os arquétipos:
1. Mostrar-se ou optar por estar presente. O estar presente nos permite ter acesso aos recursos humanos do poder, presença e comunicação. Este é o caminho do Guerreiro.

2. Prestar atenção ao que tem coração e significado. Prestar atenção abre-nos para os recursos humanos do amor, gratidão, respeito e valorização. Este é o caminho do Curador.

3. Dizer a verdade, sem culpar nem julgar. a verdade que não julga mantém nossa autenticidade e desenvolve nossa visão e intuição interiores. Este é o caminho do Visionário.

4. Estar aberto para os resultados, não preso aos resultados. A abertura e o desapego nos ajudam a recobrar os recursos humanos da sabedoria e da objetividade. Este é o caminho do Mestre.
Expressamos o caminho do Guerreiro pela nossa capacidade de liderança.

Expressamos o caminho do Curador por nossas atitudes preocupados em manter nossa própria saúde e a do nosso meio ambiente.

Expressamos o caminho do Visionário através da nossa criatividade pessoal e de nossa capacidade de trazer ao mundo nossos ideais e visões de vida.

Expressamos o caminho do Mestre pela nossa capacidade de comunicação e conhecimentos construtivos.


Em muitas tradições antigas, saúde ótima é considerada a manifestação equilibrada de todos os arquétipos. Para muitas pessoas, no entanto, esse equilíbrio está longe da realidade. A maioria dentre nós tende a supervalorizar um área enquanto deixam subdesenvolvidas as demais. Pare um instante e avalie seu próprio equilíbrio. E , agora, pé na estrada: reinvente-se.Lidere-se se quiser liderar."



Ana Lúcia de Mattos Santa Isabel - analucia@orioncomunicacao.com.br

O verdadeiro valor

Recebi o conto abaixo e depois de ler refleti, "como isso ocorre rotineiramente em nossa vida". Não vou comentar mais pois gostaria que você também lesse!


"Em um pequeno vilarejo vivia um velho professor, que de tão sábio, era sempre consultado pelas pessoas da região.

Uma manhã, um rapaz que fora seu aluno, vai até a casa desse sábio homem para conversar, desabafar e aconselhar-se.
- Venho aqui, professor, porque sinto-me tão pouca coisa, que não tenho forças para fazer nada. Dizem-me que não sirvo para nada, que não faço nada bem, que sou lerdo e muito idiota. Como posso melhorar? O que posso fazer para que me valorizem mais?

O professor, sem olhá-lo, disse:
- Sinto muito meu jovem, mas não posso ajudar-lhe. Devo primeiro resolver meu próprio problema. Talvez depois.

E fazendo uma pausa falou:
- Se você me ajudasse, eu poderia resolver este problema com mais rapidez e, depois, talvez, possa lhe ajudar.

- C... claro, professor, gaguejou o jovem, mas sentiu-se outra vez desvalorizado e hesitou em ajudar seu antigo professor.
O professor tirou um anel que usava no dedo pequeno, deu ao rapaz, e disse:

- Monte no cavalo e vá até o mercado. Devo vender esse anel porque tenho que pagar uma dívida. É preciso que você obtenha pelo anel o máximo valor possível, mas não aceite menos que uma moeda de ouro. Vá e volte com a moeda o mais rápido possível.
O jovem pegou o anel e partiu.

Mal chegou ao mercado, começou a oferecer o anel aos mercadores.
Eles olhavam com algum interesse, até quando o jovem dizia o quanto pretendia pelo anel.

Quando o jovem mencionava uma moeda de ouro, alguns riam, outros saiam sem ao menos olhar para ele, mas só um velhinho foi amável a ponto de explicar que uma moeda de ouro era muito valiosa para comprar um anel.
Tentando ajudar o jovem, chegaram a oferecer uma moeda de prata e uma xícara de cobre, mas o jovem seguia as instruções de não aceitar menos que uma moeda de ouro e recusava as ofertas.

Depois de oferecer a joia para todos que passaram pelo mercado, abatido pelo fracasso, montou no cavalo e voltou.
O jovem desejou ter uma moeda de ouro para que ele mesmo pudesse comprar o anel, livrando assim seu professor das preocupações.

Dessa forma ele poderia receber a ajuda e conselhos que tanto precisava.
Entrou na casa e disse:

- Professor, sinto muito, mas é impossível conseguir o que me pediu. Talvez pudesse conseguir 2 ou 3 moedas de prata, mas não acho que se possa enganar ninguém sobre o valor do anel.
- Importante o que disse, meu jovem... contestou sorridente. Devemos saber primeiro o valor do anel. Volte a montar no cavalo e vá até o joalheiro. Quem melhor para saber o valor exato do anel? Diga que quer vender o anel e pergunte quanto ele lhe dará por ele. Mas não importa o quanto ele ofereça, não o venda... Volte aqui com meu anel.

O jovem foi até o joalheiro e deu- lhe o anel para examinar.
O joalheiro examinou o anel com uma lupa, pesou o mesmo, e disse:

- Diga ao seu professor, que se ele quiser vender agora, não posso dar mais que 58 moedas de ouro pelo anel.
- Cinquenta e oito moedas de ouro! - exclamou o jovem.

- Sim, replicou o joalheiro. Eu sei que com tempo eu poderia oferecer cerca de 70 moedas, mas se a venda é urgente...
O jovem correu emocionado à casa do professor para contar o que ocorreu.

- Sente-se - disse o professor.
Depois de ouvir tudo o que o jovem contou-lhe, falou:

- Você é como este anel, uma joia valiosa e única, e que só pode ser avaliada por um "expert". Pensava que qualquer um podia descobrir o seu verdadeiro valor?
E, dizendo isto, voltou a colocar o anel no dedo.

- Todos somos como esta joia: valiosos e únicos, e andamos por todos os mercados da vida pretendendo que pessoas inexperientes nos valorizem. Você deve acreditar em si mesmo.  Sempre!
"Ninguém pode fazê-lo sentir-se inferior sem o seu consentimento."

Eakis Thomas


Agora que você já leu, reflita e pense, “como somos avaliados rotineiramente por pessoas que não nos conhecem e o fazem por meio de gabaritos”. Disso você não pode fugir, pois tem que se expor ao mercado de trabalho e sempre garantir sua vaga para a própria sobrevivência.  O que devemos ter em conta é que antes de chegar ao "joalheiro" vamos passar, necessariamente, por várias pessoas que não saberão nos avaliar e que podem até desmerecer-nos. Por isso, não se abata ao primeiro, segundo, terceiro "não" de um selecionador/recrutador. Quem sabe o quarto não será seu "joalheiro"



sábado, 18 de agosto de 2012

La creciente complejidad de la mano de obra en Brasil

Brasil se enfrenta a una paradoja. Los rápidos aumentos de los salarios y el nivel bajísimo de desempleo —un récord histórico— han fortalecido la clase media y han hecho que se disparara el consumo. Pero esos factores son también los principales responsables de los daños causados al sector manufacturero. La reducción de la base industrial de Brasil ha llevado a algunos analistas a preguntarse si el país no estaría enfrentándose al "mal holandés", en que la economía se desequilibra debido a las exportaciones de commodities, que aprecian la moneda local y reducen la competitividad. Según Felipe Monteiro, profesor de Gestión de Wharton, todavía es pronto para sacar esta conclusión, aunque no descarta esa posibilidad.

Las quejas de los líderes de las industrias locales son contundentes. Benjamin Steinbruch, presidente de la Compañía Siderúrgica Nacional (CSN) y ex presidente de la poderosa Federación de las Industrias del Estado de São Paulo (FIESP), dijo recientemente que es más barato fabricar acero en Alemania, donde los costes son altísimos, que en Brasil.
La contribución de la industria al PIB se ha desinflado: representa actualmente el 14,6% de la economía, el menor índice desde 1956, frente a un 30% a mediados de los años 80, según datos del Instituto Brasileño de Geografía y Estadística (IBGE), órgano que integra el ministerio de Planificación, Presupuesto y Gestión. En otras palabras, la industria brasileña no se ha beneficiado de la expansión del consumo que ha aumentado los gastos del consumidor.

 Leer más

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Falta interesse pela carreira em RH

Há tempos e em outros escritos, comentei sobre o tema publicado no jornal Valor Econômico. O RH trabalha em ilhas de excelência que algumas empresas reconhecem, precisam e mantém. Nelas, o RH é motivado, valorizado, cobrado (muito cobrado) e por isso vive em constante aprendizado e ascenção. Em redes sociais, esse RH não faz perguntas simplistas (porque sempre procura respostas por conta própria) e nem pede "modelos" prontos. Quando aparece é para participar e/ou promover debates. Em forma de depoimentos, o artigo provoca o tema "novo RH de novo". Boa leitura!


Por Carolina Cortez | Valor

Além da atual dificuldade para preencher as vagas disponíveis na empresa, os próprios departamentos de recursos humanos têm tido problemas para atrair profissionais capacitados para fazer a gestão do capital humano. Segundo Carolina Duque, especialista em RH e ex-diretora da área na Embraer e na TAM, os jovens que estão saindo da faculdade não têm interesse nem a qualificação necessária para assumir esse tipo de função. 

Com um número cada vez maior de fusões e aquisições acontecendo no Brasil — só este ano foram anunciadas 467 operações —  os profissionais de RH serão cada vez mais demandados e necessários dentro das corporações. Diante desse cenário, a escassez de talentos para aqueles departamentos que não investem na própria renovação de seus quadros é uma “bomba relógio”, dizem os especialistas que participaram de um debate sobre  o tema  “A nova geração do RH”, na 38ª edição do Congresso Nacional sobre Gestão de Pessoas (Conarh), ocorrida em São Paulo.

“O problema da formação de mão de obra especializada tem afetado muito o RH, pois as pessoas que assumem a gestão , em geral, vêm de outros segmentos, como psicologia e administração. Eles saem da faculdade sem saber quais são as reais funções da área”, explica.

Leia Mais

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

PNL: A Ciência da Excelência - A Arte da Mudança - Final

James Lawley e Penny Tompkins

A "LINGÜÍSTICA" NA PNL

A linguagem determina como nós influenciamos e como nos comunicamos com os outros e conosco. É como nós rotulamos a nossa experiência. A linguagem fortalecedora gera comportamento fortalecedor. Do mesmo modo, pensamento negativo é o resultado de pensamentos enfraquecedores. ... muitas vezes fora da nossa consciência, o que limita a escolha.

Pensamento positivo ou negativo é o nosso diálogo interno, ou o que nós dizemos para nós mesmos. Tente isso, diga a seguinte frase, uma de cada vez (preenchendo o "X" com algo que se aplica a você): "Eu preciso de X", "Eu quero X", e "Eu escolho X," e perceba as diferenças nas suas reações. Por esta razão, mudar apenas uma palavra pode ter uma influência significativa no seu pensamento e, portanto, no seu comportamento. É estimado que 93% da comunicação é não verbal. Isso significa que o como você diz o que diz (entonação, volume, velocidade, etc.) carrega cinco vezes mais informação do que as palavras ditas. E como você usa o seu corpo  (gestos, expressões faciais, postura) tem ainda mais influência. A PNL transcende a tradicional teoria da "linguagem corporal" mostrando como identificar e reagir a comunicação TOTAL da outra pessoa.
Por isto a PNL descreve a dinâmica fundamental entre a mente, a linguagem e o comportamento.
A mesma metodologia subjacente tem sido aplicada para a tomada de decisão pelo Conselho de um dos principais bancos ingleses; para identificar a estratégia criativa de Walt Disney; reabilitar jovens criminosos; treinar os operadores da American Express em habilidades de rapport no telefone; estudar a longevidade e produzir anúncios impactantes.

A PNL reconhece a importância da fisiologia em mudar e sustentar os estados internos. Isso significa, por exemplo, que se você está de mau humor, você tem a opção de criar bom humor para você.
Os benefícios são aparentes ... imagine-se sentindo poderoso quando vai visitar o gerente do banco, confiante antes de fazer uma apresentação, gostando quando seu companheiro tem o dia livre. Como você age de modo diferente? E como isso influencia os outros? Quando você está com mais recursos, as outras pessoas provavelmente também estarão.
Quer experimentar o gosto da PNL agora?

Tente uma pequena experiência. Olhe para cima, para o teto ou o céu, sorria, levante seus braços e ... tente ficar deprimido! Agora, baixe sua cabeça e olhe para baixo a sua direita, curve seus ombros e
tente ficar alegre. Difícil, não é? Que estado da mente você prefere? Você pode escolher qual experimentar, agora e a qualquer hora. E também não precisa passar o dia todo olhando para  o teto.

Escolha o estado que quer sentir. Ao reviver com força a ocasião em que experimentou essas sensações, você será capaz de ter agora este estado. Tenha certeza que você realmente está na situação: veja o que você via... ouça o que você ouvia lá e...sinta o que você sentiu... Segure isto por um minuto e AGORA, ele é seu!
Obviamente precisa mais para estar no controle dos seus estados internos e maneiras de reagir do que esse simples exercício. Contudo ele demonstra a extensão da autodeterminaçã o que poucos já conseguiram experimentar.

E SE VOCÊ PUDESSE?
Aqui temos outro exercício para tentar. Cada vez que você pegar alguém dizendo "Eu não posso..." tente dizer "E se você pudesse?" Perceba como ele TEM que se imaginar fazendo exatamente o que
ele disse que não podia! Naturalmente, você também pode sempre se fazer a mesma pergunta...!

APLICAÇÕES DA PNL
Talvez mais facilmente reconhecível tenha sido o uso da PNL na psicologia esportiva para ajudar a acessar aqueles estados da mente e do corpo necessários para assegurar a repetição do desempenho do pico. A chave é ser capaz de reproduzir o estado do apogeu no momento preciso exigido. Um atleta pode usar afirmações positivas como "Eu vou ganhar esta corrida", mas se uma vozinha na sua cabeça diz "Não tem jeito," não temos muita chance de sucesso. Com a PNL, a voz pode ser mudada para "Vá em frente!"

A Programação Neurolingüística também está sendo usada na educação para ensinar soletração e estratégias de aprendizagem altamente eficientes para as crianças. Você sabia que a maioria dos bons soletradores usa um método muito similar para soletrar? A PNL descobriu o COMO da boa soletração que pode ser ensinado em cerca de uma hora.Também na educação, os professores estão aprendendo como as crianças que classificam e armazenam visualmente a informação tem estratégias diferentes de aprendizado daquelas que classificam e armazenam a informação auditiva ou cinestesicamente (sensações internas). Ter essa informação permite o professor ajustar a sua linguagem pois assim o que ele diz pode ser compreendido por mais crianças.
Em campos diferentes, os médicos e os advogados estão fazendo uso das mesmas técnicas da PNL para, do mesmo modo, reunir informação de alta qualidade dos pacientes e clientes. A PNL é também usada para estudar como os sistemas de crenças influenciam as doenças. Está começando a ser percebido que a maneira como os médicos dão informações para os pacientes, tanto pode ser uma poderosa ferramenta para a recuperação deles como pode introduzir, sem perceber, um "vírus" no
pensamento deles. Em nenhum lugar é mais verdadeiro o axioma: "Se você acredita que algo é possível ou não... provavelmente você está certo!" do que na área da saúde. A PNL no desenvolvimento pessoal se foca no que você quer, como você quer ser, e como descobrir os recursos e atributos você já tem para ajudá–lo a fazer as mudanças. A PNL oferece uma abordagem radicalmente diferente da psicoterapia tradicional e métodos de aconselhamento que tendem a se
focar mais no problema e nas causas do que na solução. Ela também significa que melhorias dramáticas na vida das pessoas podem ser realizadas num período de tempo relativamente curto.

Uma das aplicações mais incomuns é o seu uso no ensino das habilidades para dirigir. Um recente estudo indica 66% menos acidentes para aqueles que tiveram um treinamento de dois dias de PNL do que no grupo de controle.

BENEFÍCIOS NOS NEGÓCIOS

Embora a PNL seja uma poderosa ferramenta para mudança no nível do individuo, os benefícios potenciais para os negócios e empresas podem ser nada mais do que extraordinários. Uma oportunidade perfeita para medir a eficiência da PNL numa organização ocorreu em 1986. Depois de empregar um consultor de PNL, o Exército dos Estados Unidos foi capaz de reduzir seu treinamento de tiro ao alvo com pequenas armas de 6 semanas para 3 dias com nenhum efeito danoso nos índices
de aprovação!

Nos negócios e na indústria, a PNL já está sendo usada para melhorar o desempenho das vendas, na tomada de decisão, nas habilidades de apresentação, em motivação, no controle do estresse, na formação de equipes, e em praticamente todas as áreas que você pensar. Membros da comunidade
empresarial treinados em PNL são preparados para se sobressaírem com suas próprias estratégias pessoais de sucesso, bem como incorporar fórmulas provadas da excelência de outros. De que maneira você gostaria de ter acesso à estratégia criativa de Walt Disney quando precisasse?

Você também pode aplicar as mesmas poderosas ferramentas e técnicas da PNL num nível macro dentro da sua corporação para que toda a organização tenha benefícios. Fiat na Itália é um exemplo muito importante. Por alguns anos eles empregaram experts da PNL para estudar os "líderes naturais" na sua organização pois assim essa habilidade de liderança especial poderia ser transferida aos outros. A Fiat está explorando em detalhes o que as outras empresas em geral estão percebendo. Um novo tipo de gerente e de líder para o novo século. Conceitos de identidade corporativa, visão, missão, e associar o individuo e a organização por meio de valores compartilhados estão apontando o caminho para o futuro.
E PARA FINALIZAR...

Existem muitas técnicas diferentes da PNL que você pode usar para se aperfeiçoar e aos outros. Você pode controlar e escolher a sua vida de uma maneira que você só sonhou, antes da PNL. E esse artigo é somente uma amostra do que é possível. A PNL pode capacitá-lo a realizar aquelas metas profissionais e pessoais que você deseja, para mantê-lo atualizado na última tecnologia de mudança, para gerenciar sua própria vida, e para você ter a excelência e as habilidades de qualquer um que você já tiver admirado.

Como Anthony Robbins gosta muito de dizer "O que você faria se soubesse que não vai falhar"?

Penny Tompkins & James Lawley

Penny and James have both been UKCP registered neurolinguistic psychotherapists since 1993, supervisors, coaches in business, and certified NLP trainers. They co-authored Metaphors in Mind: Transformation through Symbolic Modelling and a training DVD, A Strange and Strong Sensation. They are the founders of The Developing Company and creators of Symbolic Modelling which uses the Clean Language of David Grove.

Ana Lúcia de Mattos Santa Isabel - analucia@orioncomunicacao.com.br

A difícil linguagem de Recursos Humanos

Artigos diferentes sobre gestão de RH, são sempre benvindos!

A difícil linguagem de Recursos Humanos - Roberto Recinella
Às vezes fico impressionado com tantas definições e termos de RH que existem no mercado, confesso que algumas vezes tenho até que raciocinar um pouco para descobrir seus significados ou se são apenas termos antigos rebatizados com novos nomes.

Acredito que muitas vezes os gestores de RH utilizam esta linguagem hermética ao exemplo de advogados e médicos apenas para valorizarem seu cargo e trabalho.
Mesmo assim não podemos negar a importância de conhecê-los, já que a maioria das empresas valoriza os profissionais atualizados com a linguagem corporativa.

Por isso vou tentar simplificar alguns destes termos com exemplos de nosso comportamento cotidiano.

Quando você copia e acompanha a sua avó na realização daquela famosa receita de bolo para depois tentar fazê-la em casa não é nada mais é do benchmarking, por outro lado se toda a família se reúne para escolher o nome do novo cãozinho da casa ou do próximo destino de férias já podemos dizer estão fazendo um brainstorming.
Leia Mais

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

PNL: A Ciência da Excelência - A Arte da Mudança - Parte I

James Lawley e Penny Tompkins
A PNL tem certas máximas, duas das quais são:
"Se você sempre faz a mesma coisa, vai obter sempre o mesmo resultado!"
"Se o que você está fazendo não está dando certo – faça algo diferente."

"Sim, mas como"? você poderia perguntar.
Ao contrário de outras abordagens que dizem O QUE você precisa fazer, a PNL é a tecnologia do COMO. Ela diz e mostra COMO alcançar o que você quer e COMO se tornar aquela pessoa que alcança as metas que você quer. Desta maneira você poderá ter agora o sucesso pessoal que tanto quer!

Com a PNL nós podemos escolher o que queremos mudar, e como queremos fazer essa mudança.
A minha introdução à PNL foi com um amigo nos Estados Unidos cujas vendas haviam saltado 40% em um ano após seu treinamento em PNL. Depois de algumas pesquisas, eu decidi fazer um treinamento de PNL, pensando "Se esse "remédio" funciona, qualquer um pode fazer isso". A fim de testar os princípios da PNL e me convencer do seu mérito, eu decidi aplicar as técnicas ao meu peso – um problema de longa duração. Tendo feito dieta toda a minha vida, eu estava convencido que "regime deixa você gordo". Então a comida e o tamanho do corpo tinham algo a ver com a mente. Joguei fora a minha balança. E, sem perigo e sem esforço, perdi vinte quilos, eu que pesava 120 quilos nos últimos dois anos.

Como foi que funcionou? Pela aplicação da PNL e examinando minhas crenças, capacidades e comportamentos sobre a minha comida. Uma parte importante desse processo, e que me surpreendeu, foi constatar que eu me beneficiava por estar com excesso de peso. Logo que eu me tornei consciente disso, a PNL forneceu as ferramentas pelas quais eu podia satisfazer esses benefícios de maneira mais saudáveis e emagrecendo. Os métodos que eu apliquei para atingir meu tamanho natural podem ser aplicados em muitas áreas: para criar confiança, motivação, vendas, melhorar a memória, desempenho atlético, aprendizado de estratégias – para qualquer coisa que os humanos fazem e
querem saber COMO fazer melhor. Existe um ditado "Se isso funciona, deve ser PNL!"

O INÍCIO

No início de 1970, enquanto Tom Peters estudava a excelência nas organizações e procurava as estratégias vencedoras, um lingüista, John Grinder, e um matemático, Richard Bandler, estudavam as pessoas que eram excelentes comunicadores e peritos em mudança pessoal. "Qual é a diferença entre alguém que é apenas competente e alguém que se distingue na mesma habilidade"? era a pergunta feita por Grinder e Bandler. As respostas produziram a PNL: A Ciência da Excelênciam, A Arte da Mudança.
ANTHONY ROBBINS

Mais e mais pessoas estão começando a perceber o impacto que a PNL pode fazer na sua vida. Por exemplo, o principal treinador de performance, Anthony Robbins diz "Eu acho que uma pessoa especial, admirada por todos, foi o cavalheiro chamado Dr. John Grinder, que criou a ciência da mudança, e que foi chamada de programação neurolingüística. Foi uma das coisas que me deu a minha vantagem competitiva. Eu acho que a vantagem número um é a tecnologia da mudança".

Outros, também, reconheceram o poder da PNL. A revista Time informa: "A PNL tem potencial armazenado para o tratamento de problemas individuais e se tornou o programa e a tecnologia para o auto-aperfeiçoamento em todos os sentidos."
O QUE É PNL?

PNL significa Programação Neurolingüística e inclui os três componentes mais influentes envolvidos em produzir experiência humana: a neurologia, a linguagem e o padrão. Nós estamos em contato com o mundo exterior através dos nossos cinco sentidos: visão, audição, tato, olfato e paladar. A nossa neurologia recebe estímulos externos e os representa para nós com um conjunto combinado de "representações internas". Essas formam a nossa experiência subjetiva. O nosso mundo interno é feito de imagens que nós enxergamos no nosso olho da "mente". São as conversas, diálogos e debates que temos com nós mesmos no pensamento. São as nossas sensações e emoções sobre as quais estamos acostumados a pensar que não temos nenhum controle. Um ponto importante a perceber é que a nossa experiência é criada pela combinação dessas representações internas que formam padrões ou "programas" que se repetem. Esses padrões (ou hábitos) ocorrem repetidas vezes a não ser que sejam interrompidos ou redirecionados. É como um disco que toca a mesma canção a menos que você grave outra.

PESQUISA CIENTIFICA
O Professor Gerald Edelman, ganhador do Nobel, passou trinta anos pesquisando como funciona o cérebro. Ele conclui que nós arrumamos as dez bilhões ou mais de células cerebrais e nervosas em grupos a fim de formar "mapas" que respondem pela nossa experiência. Esses mapas nos permitem
compreender o mundo e a nós mesmos. As conexões entre as células que são frequentemente estimuladas irão sobreviver e prosperar; as outras atrofiam ou são desviadas para outras tarefas. Ele declara: "É um caso simples de contatos que quando funcionam de novo, funcionam melhor". A fobia é um bom exemplo de como funciona o cérebro. Uma situação particular ou um gatilho (altura, aranhas, etc.) produz uma reação física particularmente forte (palmas suadas, respiração acelerada, pânico, etc.). O cérebro aprende rapidamente e depois disso, cada vez que a pessoa é apresentada ao mesmo estimulo, seu corpo sabe que tem que ter a mesma reação. O surpreendente é que as pessoas com fobias NUNCA se esquecem de ter essa reação. Isso é uma estratégia de aprendizado do passado perfeita! Estivemos recentemente nos Alpes Austríacos, e lá encontramos uma mulher que estava esquiando nas suas férias e que tinha medo de altura! Ir do hotel até o topo da montanha exigia uma viagem de 20 minutos na gôndola aérea. Desnecessário dizer que ela não estava apreciando suas férias. Ao conduzi-la pela Cura da Fobia da PNL, em cerca de uma hora sua reação medrosa se tornou apenas outra memória; apesar de que ela ainda tivesse que se convencer. O acaso porém se fez presente, pois no dia seguinte o sistema de gôndolas quebrou e a deixou suspensa a dezenas de metros de altura no ar. Para sua grande surpresa, embora não tenha sido uma experiência agradável, ela não "lembrou" de ter a velha reação fóbica. AGORA sim, ela estava convencida!

Do mesmo modo que esse padrão automático nos cria dificuldades na fobia, ele funciona a nosso favor quando nós amarramos os cordões do sapato, dirigimos o carro, ou fazemos um milhão de outras coisas sem ter que pensar. Por isto a PNL é a exploração de COMO cada indivíduo experimenta o seu próprio conjunto único de padrões. Com a PNL nós podemos identificar que padrões nos dão recursos e nos são úteis. Então podemos escolher acrescentar novos padrões ao nosso comportamento e sermos mais produtivos naquelas situações onde tivemos baixa performance no passado. Se nós entendemos como nós somos da maneira que somos, podemos criar escolha sobre como nós gostaríamos de ser no futuro.

Penny Tompkins & James Lawley

Penny and James have both been UKCP registered neurolinguistic psychotherapists since 1993, supervisors, coaches in business, and certified NLP trainers. They co-authored Metaphors in Mind: Transformation through Symbolic Modelling and a training DVD, A Strange and Strong Sensation. They are the founders of The Developing Company and creators of Symbolic Modelling which uses the Clean Language of David Grove.



Ana Lúcia de Mattos Santa Isabel - analucia@orioncomunicacao.com.br