Não me fale do seu medo, eu conheço inteira sua fantasia
E é como se fosse pouca e a tua alegria não fosse bastar
Quando eu não estiver por perto canta aquela música que a gente ria
É tudo que eu cantaria e quando eu for embora você cantará

Oswaldo Montenegro - Estrelas

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Adoecimento psíquico no trabalho bancário...


A pressão sofrida diariamente pelos bancários em função do modelo organizacional imposto pelos bancos, baseado sobretudo no cumprimento de metas, e os prejuízos que isso causa à saúde é o tema do livro “Adoecimento psíquico no trabalho bancário: da prestação de serviços à (de) pressão por vendas”, de autoria do Psicólogo Vitor Barros.
O livro é baseado em mais de três mil horas de depoimentos dos bancários atendidos por meio do trabalho realizado junto à Secretaria de Saúde do Sindicato, DF,  e à Clínica do Trabalho, em três anos de acompanhamento. A Secretaria chega a receber até 15 novos casos de adoecidos por dia em consequência do estresse do trabalho.
Vitor diz que é comum aos bancários o sentimento de inconformidade e culpa diante dos transtornos psíquicos. “Eles sentem como se não estivessem trabalhando como deveriam por um erro próprio, e não por consequência da pressão que sofrem diariamente”, explica. “Quando você vê os mesmos problemas se repetindo em locais diferentes, percebe que algo precisa ser feito com certa urgência”.

O psicólogo também criticou as fusões dos bancos e a terceirização. Segundo ele, depois de um ano do processo de compra e venda, as empresas começam a se preocupar em receber de volta o investimento e, para isso, dão início a cortes de pessoal, reduzindo o número de trabalhadores nas agências e aumentando a pressão sobre os que ficam. “Seis pessoas já tentaram suicídio em um dos bancos que estão na lista de 150 melhores empresas para se trabalhar. Eles não divulgam que os bancários trabalham até estarem esgotados”, declarou. “A terceirização é uma forma precária de trabalhar no dia a dia. O terceirizado faz o mesmo trabalho do bancário, mas sem a mínima segurança. Abriram as portas para que os trabalhadores assumam os riscos da profissão”, critica.
A Clínica do Trabalho foi criada pelo Sindicato em parceria com a UnB para atender bancários vítimas de doenças relacionadas ao trabalho. “A Clínica é um espaço onde eles podem ser ouvidos, e isso é fundamental no processo de cura”, explicou.

"Tenho conseguido muito êxito, mas há ainda grande dificuldade em fazer um trabalho preventivo, pois as ameaças são invisíveis e a "produtividade não pode parar" afirma Vitor.
Vitor Barros Rego
Psicólogo CRP 01/12645
Mestre em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações
(61) 8134-8868

4 comentários:

  1. Gostaria de saber como faço para comprar o livro. Obrigada. Roberta (robertamarcelo4@hotmail.com)

    ResponderExcluir
  2. O livro está à venda pelo site da editora: www.editoraexlibris.com.br.

    ResponderExcluir
  3. Não consegui abrir o site para comprar o referido livro, alguém pode me informar como faço para adquiri-lo?

    ResponderExcluir
  4. Este livro foi editado pela Editora Exlibris. Parece que ela está fora do ar. Quem lançou o livro foi o Sindicato dos Bancários de Brasília. Quem sabe lá você pode obter alguma informação.

    ResponderExcluir

Comentem, da discussão nasce a sabedoria!