Leitores amigos, de hoje até o final de junho estarei perambulando por aí! Curtindo férias e momentos sabáticos!

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Pesquisa de Clima é com Você RH!

Entendemos que ao longo da estória de uma instituição, problemas foram surgindo e problemas foram sendo resolvidos. A forma como os problemas foram sendo resolvidos e no entender da Direção, de forma satisfatória, contribuíram para formar a cultura da instituição de “como lidar e tratar tal tipo de situação”. Com o caminhar da humanidade, soluções antigas podem não ser mais adequadas. Daí, novas percepções de cultura e clima organizacional vêm à tona, para novas discussões e abordagens. A população muda. Os clientes mudam. A sociedade muda. A concorrência aperta. E por aí vai! 

Uma pesquisa de satisfação e clima organizacional é um instrumento voltado para a observação e análise da “temperatura” do ambiente interno de uma instituição. Reflete a percepção de seus integrantes no momento motivacional da realização da pesquisa. Por isso exige toda atenção de quando realizar uma pesquisa, para não cair no erro de “pergunta com resposta encomendada”. Ao contrário dos processos de avaliação de desempenho, quando se ensina que o correto é a análise de um histórico passado do funcionário, para entender melhor o presente, a pesquisa de satisfação interna e clima organizacional está concentrada na percepção atual dos respondentes.

O momento centrado é “hoje”!

Uma pesquisa de satisfação interna e clima organizacional é, essencialmente, um instrumento de diagnóstico frente às políticas e práticas de gestão de recursos humanos ao possibilitar o conhecimento, a análise, a intervenção, o acompanhamento e o monitoramento do grau de comprometimento dos funcionários (motivação, atividades em equipe, interação das equipes, comunicação institucional, estilos de autoridade e liderança, instalações, equipamentos e materiais de trabalho, observância saudável de atos normativos internos,...).

A iniciativa da instituição de aplicar uma pesquisa de satisfação interna e de clima organizacional por si só já é um fator encorajador e motivador, pois significa que “queremos ouvir você” e cria nos funcionários sintomas de mudanças ao possibilitar o mapeamento do momento motivacional (pontos fortes, deficiências, expectativas e aspirações).

Uma condição básica para o êxito e a prática de ações bem sucedidas de gestão da satisfação interna e do clima organizacional, fundamenta-se na qualidade das informações recebidas pela investigação realizada. Daí, aquela pesquisa emprestada de seu vizinho pode não ser, necessariamente, válida em sua instituição, apesar das afirmações/perguntas serem, de uma forma genérica, padronizadas. É preciso extrair da forma mais espontânea e honesta possível dos respondentes, a maneira pela qual os diversos aspectos do ambiente organizacional são percebidos.

Um dogma tem que ser obrigatoriamente cumprido: o rigoroso anonimato dos respondentes e o conhecimento destes que, efetivamente não serão identificados. Ao mesmo tempo, que a pesquisa é um instrumento vigoroso de diagnóstico, quando mal percebida pelos respondentes, torna-se um instrumento, também vigoroso, contra a credibilidade da instituição. “Um verdadeiro tiro no pé”.

Quando bem extraído, identificado e analisado, o diagnóstico é fundamental para a formulação e estruturação de ações eficazes de melhoria daqueles pontos/dimensões que necessitam de intervenção, uma vez que se apresentaram de forma insatisfatória. Alguns autores sugerem a investigação do ambiente externo como fator de influência no comportamento dos funcionários (convivência familiar, lazer, despesas familiares, situação financeira,...). 

Ninguém melhor do que o pessoal de RH para saber o que e quando investigar.

A formulação das afirmações/perguntas (chuva de idéias), a forma como deverão ser escritas para o fácil e preciso entendimento (evitar dupla interpretação) e os pontos/dimensões a serem “atacados” (estilos de liderança e autoridade, sentimento de identidade corporativa, políticas de recursos humanos, relações internas – setorial e coletiva, processos de comunicação interna e estrutura e recursos de trabalho por exemplo).

Ao começar a formular sua pesquisa de satisfação interna e clima organizacional, troque idéias, sentimentos e percepções do ambiente interno com os gestores da instituição. Explique bem o significado da pesquisa e de como deverão ser coletadas e tratadas as informações. Todo e qualquer resultado terá que gerar, obrigatoriamente, estratégias de como comunicar (devolutiva aos funcionários) e de como a instituição pretende agir para corrigir/minimizar os aspectos considerados críticos (fora da zona de conforto).

Com a aplicação da pesquisa os gestores poderão conhecer, entre outros itens, as áreas saudáveis dentro do modelo de gestão da instituição, a identificação das oportunidades de melhoria (áreas vulneráveis dentro do modelo de gestão da instituição), o potencial de risco de rotatividade setorial e/ou coletiva dos funcionários, os estilos predominantes (positivos/negativos) de liderança e autoridade, a identidade sentimental do funcionário com a instituição e qual a temperatura da instituição sob a ótica dos pontos/dimensões analisadas.

Uma vez realizada a pesquisa de satisfação interna e clima organizacional, é importante tornar-se um hábito pesquisar a temperatura interna. Em períodos regulares, pratique sua pesquisa, confronte resultados, componha uma série histórica e divulgue melhorias alcançadas.

“O gestor do clima deverá centrar seus esforços em ações que produzam uma transformação profunda e duradoura no ambiente de trabalho. Não existem fórmulas pré-fabricadas, o programa de intervenção deverá estar de acordo com a vontade das pessoas do lugar, com o estado dos componentes do clima da instituição e com os objetivos que se queira alcançar” (Brunet).

Para finalizar esse artigo cito um poema de John H. Rhoades

Faça mais do que existir: viva.

Faça mais do que tocar: sinta.

Faça mais do que olhar: observe.

Faça mais do que ler: absorva.

Faça mais do que escutar: ouça.

Faça mais do que ouvir: compreenda.

Carlos Alberto de Campos Salles
Consultor de Recursos Humanos
 Independente
Remuneração – Desempenho – Competências


São Paulo / SP

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentem, da discussão nasce a sabedoria!