Você é Ligador ou Recebedor? Antecipa ou Espera? Resolve ou Transfere? Empurra ou Planeja? Só Copia ou também Cria? Você está ocupado ou preocupado com a qualidade dos processos de Recursos Humanos?

sábado, 17 de agosto de 2013

Já ouviu falar de carreira em nuvem!

 Por esse mundo cada vez mais igual sempre procuro artigos, pensamentos ou ideias diferenciadas que me fazem refletir sobre temas de administração em geral. O artigo abaixo é muito interessante e possibilita o pensar criativo, empreendedor e, principalmente, o paralelo aos modelos corporativos pasteurizados. Vale a leitura!
 Carreira em nuvem decreta o fim do organograma

Na minha experiência em aconselhamento observo que 70% das pessoas pensam em sua trajetória profissional com base em múltiplos empregos, almejando crescimento linear. Elas estão pouco abertas para entender a "carreira em nuvem" e a trabalhabilidade. 

No mundo do pensamento linear, os profissionais perguntam: "qual o meu próximo passo na carreira?" ou "qual será minha próxima função?". Nos tempos do conceito em nuvem, os questionamentos são: "em que projetos posso me envolver?", "quais são as alternativas que essa empresa tem no mercado e onde eu posso contribuir para esse negócio?". 

Mas, afinal, o que quero dizer com "carreira em nuvem"? Na atual dinâmica de mercado, as carreiras não têm mais apenas crescimento vertical. Hoje elas possuem ciclos, nos quais há diversas formas de trabalho. Ou seja, a carreira executiva pode se mesclar com empreendedorismo, consultoria, gestão interina, entre outros. Nesse modelo, o que vale é a trabalhabilidade - a capacidade de gerar trabalho por múltiplas formas. 

Assim, a figura da nuvem que proponho equivale a esta série de oportunidades e de alternativas de carreira. O executivo transita por diversos meios e, muitas vezes, trabalha literalmente nas nuvens, em deslocamentos de avião entre cidades ou países, onde estiver o melhor projeto para sua carreira. 

Nesse contexto, algumas premissas do estilo "tradicional" de trabalho seguem válidas, como ter uma área de atuação bem definida, ou seja, um ramo de excelência - vendas, finanças, recursos humanos. Defendo a ideia de um modelo de carreira em "T" (a linha vertical representa a área de atuação e a linha horizontal se refere a uma visão global do negócio em que se estiver envolvido) conectado com a nuvem de oportunidades. Sem a sustentação da área bem definida, a carreira pode se perder na nuvem e ficar muito vaporosa.
 Leia mais em:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentem, da discussão nasce a sabedoria!