RHECADOS DIÁRIOS!

Após cada evento de Treinamento e Desenvolvimento o pessoal de Recursos Humanos deve refletir: O que é possível colocar em movimento, em prática, em operação de imediato?

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Vai trabalhar? Divirta-se!

Neste bem estruturado artigo de Floriano Serra, temos como personagem central o chefe. O chefe chato!. Nada mais desgastante do que ser liderado por um chefe chato. Uma empresa que não é chata, torna-se chata também. Uma informação que circulou tempos atrás, dizia que boa parte dos processos trabalhistas eram por causa do chefe e não necessariamente por causa da empresa em si. Vamos ao artigo do Floriano!

Nada mais chato na vida do que se ter um trabalho chato, cercado de pessoas chatas e principalmente ser "liderado" por um chefe chato ! Isso pode até matar, sabia? No ano passado uma pesquisa realizada por especialistas ingleses do College of London descobriu que um contexto de trabalho nessas circunstâncias, pode provocar ataque cardíaco!

Em termos de gestão de pessoas, são muitos os fatores que podem produzir a chatice no trabalho e eu não teria aqui espaço suficiente para falar de todos eles num só artigo. Vou dedicar-me a um só ponto, justamente o mais importante e decisivo para o clima interno: a chefia.

Neste sentido, a chatice no trabalho começa quase sempre devido à tão inabalável quanto despropositada crença que alguns "chefes" possuem e manifestam a respeito do seu chamado "poder". E, por causa dele, mostram-se diariamente grosseiros, autoritários, centralizadores e exibidores de outros predicados muito
pouco relacionados com as modernas teorias sobre liderança, motivação, produtividade e condução de pessoas. Olhando apenas para o próprio umbigo, esses "donos da verdade e das vontades" arvoram-se em privilegiada autoridade à qual toda a equipe deve se submeter, sem contestações.

Resultado disso? Pessoal desmotivado, aumento dos processos trabalhistas com a alegação de assédio moral. elevado absenteísmo e altíssimo turn-over. Ao mesmo tempo, horários são rigidamente controlados – desde o da pausa para o cafezinho ao da ida ao banheiro, onde aqueles "gestores" acreditam que há um
tempo médio e máximo de permanência.. .Ou seja, os colaboradores que estiverem com desarranjo intestinal poderão adicionalmente ter também problemas disciplinares por ultrapassarem o tempo de tolerância permitido no toalete. E os gritos, acompanhados de perdigotos? E as cobranças e olhares ameaçadores? E a falta de atenção, de "bom dia, boa tarde, como foi seu fim de semana, obrigado, com licença, por favor, parabéns?"

Eu fico me perguntando se essas pessoas já ouviram falar em qualidade de vida e se já, o que pensam dela. Pergunto-me que prioridades essas pessoas dão às suas vidas - trabalho, família, amores, sonhos, diversão, saúde,..Certamente todo resultado que atingimos na vida nos cobra um preço. A questão é avaliar sempre: vale a pena? Por este resultado que vou obter, compensa pagar esse preço? Compensa ultrapassar as metas e conviver com uma equipe ressentida, desmotivada, emocionalmente doente e que não vê a hora de trocar de barco na primeira oportunidade? E na vida pessoal? Que preço essas pessoas estão pagando nas suas relações pessoais e familiares em troca de um polpudo saldo em conta corrente ou na aplicação?

Tenho sempre repetido que não é de bom senso permitir que nossa felicidade dependa de fatores sobre os quais não temos nenhum poder de decisão. Dê o melhor de si no seu trabalho, com ética e profissionalismo – mas não perca de vista que ele não é tudo na sua vida. Ao encerrar o expediente, deve haver um outro mundo à sua espera: familia, bons amigos, boas diversões, afetividade, arte, cultura, passeios.

Se você conseguir fazer com que as perspectivas dessa segunda etapa do dia (após o expediente de trabalho) sejam altamente compensadoras, você, durante o trabalho, estará sempre com um sorriso nos lábios, antecipando os prazeres que terá depois de uma inevitável, mas desnecessária e absurda jornada de chatice. Você até descobrirá que há gente e coisas boas no seu ambiente de trabalho, até então imperceptíveis.

No mínimo, tente - não seja chato.

Floriano Serra é psicólogo, palestrante e facilitador de seminários comportamentais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentem, da discussão nasce a sabedoria!