RHecados diários: Quando um Gerente influente lhe diz que "tal atividade é perfumaria" como você reage? Argumenta e valida ou apenas aceita?

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Os Gurus, o Partido Governista e a Pipoca!

Tempos atrás li em uma rede social uma postagem de um palestrante que dizia mais ou menos assim: "Você tem que ser sempre o primeiro, o segundo lugar não vale nada, o segundo lugar significa o primeiro dos perdedores, nunca se conforme com o segundo lugar, seja sempre o vencedor". Essas palavras vinham acompanhadas da foto do palestrante em ação em uma de suas palestras.  



Assistir uma palestra motivacional com esse teor de agressividade pode surtir um efeito contrário ao que você vem buscando. O princípio do vencedor é um dos baluartes da sociedade americana e, tecnicamente, só vale quem ganha. Quando a competição destaca que pode ocorrer “empate”, portanto há jogos sem vencedores,  isso não serve lá. Sempre tem que haver um ganhador.


Outro exemplo são os filmes de Hollywood. Os soldados americanos que perderam a guerra do Vietnã, na qual muitos morreram, não foram vistos com bons olhos e nem bem recebidos quando acabou a guerra. Bom exemplo é o primeiro filme da série Rambo e o filme Franco Atirador.

Logo após a crise financeira dos Estados Unidos que começou com a quebra do Banco Lehman Brothers, um articulista de lá escreveu um artigo abordando a influência dos gurus e dos livros de auto ajuda na quebradeira geral. Dizia o artigo que grande parcela da quebradeira foi provocada pelo excesso de apelos de auto ajuda dos gurus de plantão. Aqueles gurus que apregoam que você pode tudo. Basta querer. Aos quatro cantos insistiam entre outros bordões que você pode comprar aquela casa no campo, aquela casa na praia, aquele carro novo, mais uma casa para botar para alugar e ganhar mais dinheiro com isso e mais uma casa, aquela viajem dos sonhos, investir na bolsa de valores e comprar, comprar e comprar.

Pode parecer absurdo, mas todo absurdo contém uma dose de lógica. Cidadãos americanos compraram imóveis a torto e a direito. Hipotecavam uma casa e com o dinheiro compravam outra e, essa outra, alugavam. Com o aluguel pagavam a hipoteca e passavam a ter dois imóveis. Depois mais uma e por aí vai. Criou-se então a chamada bolha imobiliária. Com uma pequena alfinetada a bolha estourou e todos sabem o final da estória.

Concordo que é estimulante assistir palestras motivacionais de esportistas vencedores em suas áreas de atuação. A psicologia nos ensina que é comum a projeção da realização pessoal através do sucesso dos nossos ídolos. Porém, lembre-se que pode bastar apenas uma derrota, para que toda a construção de sua carreira de sucesso venha abaixo, não importando suas vitórias passadas. "Foi excelente em todos os jogos do campeonato, porém sofreu um gol no jogo decisivo". Muitas carreiras de bons goleiros terminam assim.

A agenda de palestras de esportistas de renome que faziam muitas palestras motivacionais tempos atrás, quando começaram a perder, foi para a gaveta das boas intenções.

O Partido Governista detinha na época, apesar do mensalão, uma grande oportunidade de desenvolver políticas públicas da melhor qualidade, pois tinha dinheiro em caixa e o apoio maciço da população. Aí veio a farra sem sustentabilidade. Isenção de impostos para compra de veículos, financiamentos de longo prazo para compra de imóveis pequenos e caros, cartão de crédito especial para equipar a casa nova, centenas de ofertas para o ensino técnico e bolsas a granel para faculdades particulares. No mesmo esquema do estilo guru americano de ser. Você pode tudo! Basta querer! Quem nunca teve oportunidade ou teve poucas, aproveitou o momento e comprou, comprou e comprou. Agora eu posso! Veículos novos em até 72 meses para pagar, geladeiras e tv´s em tantas prestações sem juros, viagens e mais viagens de avião para dentro e fora do país. Gastanças da poupança nacional em porcarias e mais porcarias nos outlets do exterior.
  
As “palestras motivacionais governistas”  nos venderam um país que não existia. Um Brasil Fake. Com a crescente alta do desemprego, que ninguém sabe quando vai parar, quem vai pagar as prestações do “Programa Você pode ter tudo. É só ir na loja e comprar”. Enxurrada de imóveis estão sendo devolvidos às construtoras e os veículos tomados pelos financiadores por falta de pagamento. Financiamento estudantil com juros mais altos e corte orçamentário em direitos trabalhistas e sociais.

O Partido Governista não tem mais credibilidade e sustentabilidade política e orçamentária para bancar os sonhos prometidos. Desse jeito não há programas de políticas públicas sociais que sobrevivam!

Enquanto isso, relaxe e saboreie uma pipoca!

Carlos Alberto de Campos Salles
Consultor de Recursos Humanos Independente
carh.consultoria@gmail.com



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentem, da discussão nasce a sabedoria!