RHECADOS DIÁRIOS!

Ao enviar relatórios coloridos e cheios de gráficos que tal enviar uma página com soluções propostas. Dessa forma seu Diretor vai ler!

terça-feira, 30 de junho de 2015

O homem do dinheiro é o mais procurado hoje em RH!

Há dois ou três anos me deparei com um título bem chamativo em um artigo da revista preferida dos profissionais de RH, Você S/A – O homem do dinheiro é o mais procurado hoje em RH. Os artigos principais, tanto da revista Exame, quanto da Você S/A, costumam estar carregados de um glamour desnecessário, que não influencia ou não tem muito a ver com a matéria. Bem ao estilo da revista Caras!

Desde os anos 70 atuo na área de RH, área que me identifico até os dias de hoje. No primeiro dia de trabalho observei e confirmei o que diz a manchete do artigo: O homem do dinheiro é o mais procurado hoje em RH. Naquele tempo a área não se chamava RH. Chamava-se Relações Industriais, nome traduzido e adotado das empresas americanas.

O fato é que desde “sempre” a área de Cargos e Salários ganhava mais do que outras áreas de RH. Nas empresas por onde andei, invariavelmente presenciei algumas rusgas entre a turma de salários e a da área de pessoal. 

Pura bobagem, pois a turma de salários, que desde então já possuía em seus quadros alguns pedantes e arrogantes, dependia, e muito, das informações da folha de pagamento, “mãe de todas as coisas”. Por isso aprendi cedo que para ser bem sucedido na área de cargos e salários é preciso ter boas relações e respeito com a turma da área de pessoal e também da contabilidade.

Entre os anos 70 e 80 participei de programas de implantação de cargos e salários, dirigidos a todos os níveis da empresa. Um dos pontos de destaque eram as pesquisas de salários. Realizadas nas implantações, eram regularmente atualizadas para monitoramento do que foi implantado. Pesquisa era coisa séria e praticamente eram feitas de forma presencial, ou seja, tanto o “patrocinador” da pesquisa quanto o respondente, sabiam o que se pesquisava, qual o verdadeiro conteúdo ocupacional, qual o nível no organograma e por aí vai. Hoje observo nas redes sociais perguntas do tipo “Quanto vocês pagam prá um Diretor de Compras?”.

Com a estonteante pulverização das tradicionais áreas de RH no início do Governo Collor, muitas atividades passaram a ser terceirizadas. A primeira conclusão que podemos tirar é que, desde então, poucos profissionais foram “criados e desenvolvidos” na maioria das empresas.

Hoje, as práticas vigentes na área de Cargos, Carreiras e Salários sugerem a exploração de inúmeras vertentes de pesquisa, formulação, validação e sustentação de novas ideias. Os processos de remuneração variável são extremamente propícios para a geração de novos produtos. 

Os carregados planos de cargos e salários de tempos atrás, que demoravam de um a dois anos para sua implantação, dependendo do porte da empresa, e que cumpriam religiosamente todos os rituais descritos nas poucas e desatualizadas bibliografias existentes à época, não tem mais espaço nos tempos atuais. Extremos de preciosismo, tecnicismo e aprofundamento em etapas que na prática eram desnecessárias, levaram muitos planos de cargos e salários à inoperância. 


Voltando ao artigo, pergunto

O que é ser um bom especialista em remuneração nos dias de hoje? 
Qual a ingerência desse profissional nos programas contratados e assistidos pelas grandes consultorias?    


- Entender profundamente o negócio e o ramo de operação da empresa em que trabalha;

- Conhecer em detalhes todos os sistemas abertos de classificação e avaliação de cargos para fundamentar exercícios de aplicação e contribuir com ideias e novas leituras em roteiros de trabalho;

- Conhecer em detalhes determinados sistemas contratados pela empresa onde trabalha para otimizar a compreensão e deitar um olhar diferenciado quando a situação permite;

- Simplificar o modelo e a forma de obtenção das descrições e requisitos de cargo;

- Elaborar descrições de cargo focadas em processos e atualizadas on line;

- Nem pensar em comitês tradicionais de avaliação;

- Conhecer em detalhes todos os indicadores utilizados em programas de PLR e formular, criar e validar novos indicadores;

- Não ficar preso a dogmas criados por sistemas abertos ou contratados;


E a principal resposta – Ter habilidade para pensar de forma absolutamente sistêmica e capacidade para desenhar, projetar e sustentar tecnicamente, diversas formas de remuneração em função da área de atuação de sua empresa e dos grupos ocupacionais que gerencia.

Carlos Alberto de Campos Salles
Consultor de Recursos Humanos
Independente
Remuneração - Gestão de Desempenho - Competências
(11) 99323 - 7923

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentem, da discussão nasce a sabedoria!