sexta-feira, 27 de maio de 2011

Avaliação de Desempenho de Professores da Rede Pública - Texto III

Elaborei uma discussão para dar início a um amplo projeto de revisão e de reestruturação dos modelos de Avaliação de Desempenho destinados aos Professores de uma Rede Municipal de Ensino. Dividi os textos em quatro partes. Abaixo o terceiro texto!                                                              

Texto III
Objetivos Propostos para o Sistema de
Avaliação de Desempenho

O propósito fundamental do sistema é o de melhorar a qualidade do desempenho dos docentes, em todos os níveis, em função de melhorias na educação oferecida nas escolas do município.



Objetivos Gerais 

  1. Estimular e favorecer o interesse pelo desenvolvimento profissional
À medida que se estabeleça um sistema que apresente metas atingíveis e oportunidades de desenvolvimento profissional, os docentes se sentirão estimulados a tratar de alcançá-las e estimulados quando conseguem.

  1. Contribuir para o melhoramento da gestão pedagógica nas escolas
Isso ocorre na medida que se cumpra o objetivo anterior. Melhorias no modo de ensinar, no conhecimento, nas funções como gestor de aprendizagem e como orientador de jovens , nas relações com colegas e na contribuição aos projetos de melhorias  nas escolas. 

  1. Favorecer a formação integral dos alunos
À medida que se conte com docentes alertas a respeito de seus objetivos e responsabilidades e sabem como executá-los e melhorá-los, a atenção se concentrará com mais precisão em suas tarefas e requisitos de apredizagem dos alunos, como também suas necessidades de desenvolvimento profissional. 

Objetivos específicos 

Os objetivos específicos supostos  referem-se às distintas esferas de ação que se prevêem afetar pelo sistema : exercício do magistério, políticas de formação e um sistema válido de avaliação de desempenho dos docentes. 

  1. Exercício do Magistério
ü  Detectar pontos fortes e fracos dos docentes e  estabelecer programas de melhoramento
ü  Apoiar a superação de obstáculos que afetam o exercício do magistério
ü  Favorecer processos de autoavaliação,  trabalho cooperativo entre docentes e de formação permanente em relação ao próprio desenvolvimento profissional
ü  Oferecer oportunidades para o desenvolvimento de capacidades especiais dentro do exercício do magistério (mentores, assessores de atividades extra-curriculares, etc.)

2.     Políticas de formação

ü  Proporcionar informação  sobre necessidades de desenvolvimento profis-sional dos docentes.
ü  lncentivar a avaliação e a  redefinição de políticas e processos de formação inicial e contínua

3.     Sistema de avaliação de desempenho

ü  Desenvolver e validar procedimentos amplos para uma adequada avaliação de desempenho
ü  Preparar avaliadores capacitados para emitir julgamentos  sobre o desempenho de docentes em distintos contextos
ü  Dispor de informações que permitam emitir julgamentos bem fundados sobre casos extremos, metas de superação  e acessos na carreira  

Com o objetivo de iniciar a discussão e a construção de indicadores de desempenho, relaciono alguns itens abaixo : 

§  Capacidades pedagógicas. 

o   Grau de dominio pedagógico ( teorias da educação,  didática geral e  didática de uma  especialidade )
o   Capacidade para fazer sua matéria  interessante
o    Alcance de sua contribuição para um adequado clima de trabalho em sala de aula 

§  Capacidades “Emotivas” 

o   Vocação pedagógica
o   Autoestima 

§  Responsabilidade no exercício de suas funções 

o   Pontualidade na escola e na sala de aula
o   Participação em sessões metodológicas e jornadas de reflexão entre os docentes
o   Cumprimento de procedimentos normativos 
                                                                                                                                                                                              
Três fatores podem influenciar na eficácia de uma metodologia de avaliação de desempenho desenhada para o desenvolvimento do Professor :

§  Fatores contextuais – clima organizacional, recursos, lideranças, ...
§  Fatores   relativos a procedimentos – instrumentos utilizados para a reunião de dados, uso de outras fontes de retro alimentação,...
§  Fatores relativos ao professor – motivação, eficácia,... 

Características chaves dos avaliadores para assegurar o crescimento profissional dos professores :

§  Credibilidade como fonte de informação
§  Ter uma relação de cooperação com o professor
§  Confiança
§  Capacidade para expressar-se de  modo não ameaçador
§  Paciência
§  Flexibilidade
§  Forte conhecimento dos aspectos técnicos do magistério
§  Capacidade para criar sugestões
§  Familiaridade com os alunos do professor
§  Experiência pedagógica 

Os autores  Stiggins y Duke (1988)  identificaram como importantes, dois conjuntos de características de  sistemas de avaliação de desempenho de professores: 

§  Características de Procedimentos de avaliação 
§  Características de Retorno para o professorado 

Entre as Características de Procedimentos de avaliação que comprovaram  correlação com a qualidade e com o impacto da experiência da avaliação (baseada em percepções dos professores com respeito ao crescimento profissional que haviam experimentado) se incluem as seguintes: 

§  Claridade dos indicadores de  rendimento
§  Grau de consciência do professor com respeito a esses indicadores
§   Grau em que o professor considera adequados os indicadores de rendimento para sua aula
§  Uso de observações em aulas
§  Exame dos dados sobre o rendimento escolar dos alunos. 

Entre as Características de Retorno de avaliação que comprovaram correlação  com qualidade e  impacto percebidos da avaliação: 

§  Qualidade das idéias sobre a melhora
§  Profundidade da informação
§  Especificidade da informação
§  Resumo da informação
§  Grau em que a informação era descritiva
§  Ciclos de retorno para fomentar a atenção sobre  mensagem
§  Grau em que o retorno estava ligado aos indicadores
§  Freqüência retorno formal
§  Freqüência do retorno informal

Modelo centrado no perfil do Professor 

Esse modelo consiste em avaliar o desempenho de um professor de acordo com o seu grau de concordância  com  traços e características, segundo um perfil previamente determinado, do que constitui um professor ideal. 

Essas características  podem ser estabelecidas elaborando-se um perfil das percepções dos diferentes grupos que interagem com o professor ( alunos, pais, diretores, outros professores) sobre o que é ser um bom professor ou a partir de observações diretas e indiretas, que permitam destacar traços importantes dos professores que estão relacionados com os êxitos de seus alunos.

Estabelecido esse perfil, elaboram-se questionários que  podem ser aplicados do modo de auto avaliação, mediante um avaliador externo que entrevista o professor ou mediante a consulta proposta por alunos e pais. 

A participação e o consenso dos diferentes grupos de atores educativos na conformação do perfil do professor ideal é sem dúvida um traço positivo desse modelo

É claro que esse modelo recebeu críticas negativas. Pode-se estabelecer um perfil de um professor inexistente, cujas características são praticamente impossíveis de se projetar em futuros professores ( muitas delas podem se referir a traços de caráter dificilmente atingidos mediante a capacitação ). Pode haver pouca relação entre as características de um bom professor, segundo as percepções dos diferentes atores educativos, e as qualificações dos alunos.

Modelo centrado nos resultados obtidos 

A principal característica desse modelo consiste em avaliar o desempenho dos professores mediante a comprovação da aprendizagem ou os resultados alcançados pelos seus alunos. 

Esse modelo surgiu de uma corrente de pensamento muito crítica sobre a escola e o que nela se faz. Sustenta que para avaliar  professores –  “ ... o critério que se deve utilizar não é o de focar a atenção no que  faz o professor, mas sim, focar o que acontece aos alunos como conseqüência do que o professor faz ... “ 

Com o estabelecimento desse critério, como fonte essencial de informação para a avaliação do professor,  corre-se o risco de relegar a um segundo plano, aspectos do processo de ensino / aprendizagem que são, em última instância, os que determinam a qualidade dos produtos da educação. 

Por outro lado, é questionável    considerar o professor como responsável absoluto pelo êxito dos alunos, pois, como sabemos, os resultados que  os alunos obtém são efeitos de múltiplos fatores, um dos quais ,  o professor.

Carlos Alberto de Campos Salles

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caros leitores, sintam-se à vontade para comentários sobre os artigos postados e/ou artigos escritos por mim. Da discussão nasce a sabedoria!